Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante. Saiba mais

Compreendi
Asset 1

Notícias

Sistema bancário recupera qualidade dos ativos e da rendibilidade

2018-07-24
Banco notas

Os bancos nacionais registaram uma evolução favorável no primeiro trimestre de 2018 no que se refere à qualidade dos ativos e à rendibilidade do sistema bancário, apenas a solvabilidade é que não apresenta melhorias. Na síntese elaborada pelo Banco de Portugal (BdP) sobre o sistema bancário português no primeiro trimestre deste ano, o supervisor afirma que o ativo total do sistema bancário voltou a diminuir, e que esta evolução "reflete um decréscimo de várias rubricas, em especial das disponibilidades em bancos centrais, num contexto de aumento da carteira de títulos de dívida pública".

O ativo reduziu em 1% face ao trimestre anterior, quando o valor foi de 377 mil milhões de euros. O BdP conclui, ainda, que o financiamento da banca portuguesa junto de bancos centrais manteve a trajetória de redução, registando o valor mais baixo desde o primeiro trimestre de 2010 e que os indicadores de liquidez permaneceram em níveis elevados, tendo, em geral, melhorado. Sobre a qualidade dos ativos, o documento diz que continuou a evoluir de forma favorável, verificando-se uma redução do mal parado e do rácio dos empréstimos non-performing (NPL).

No primeiro trimestre deste ano, refere o BdP a rendibilidade do sistema "aumentou de forma significativa”, traduzindo uma "redução expressiva" do fluxo de imparidades, em especial para crédito, face ao trimestre homólogo. Globalmente a rendibilidade dos capitais próprios subiu 7,9% e do ativo 0,8%. Os rácios de fundos próprios "diminuíram marginalmente", em resultado de "uma redução ligeiramente superior à observada nos ativos ponderados pelo risco".

O BdP nota que o rácio de alavancagem aumentou ligeiramente face ao trimestre anterior (0,1%) passando a situar-se em 7,9%, muito acima do mínimo de referência definido pelo Comité de Supervisão Bancária de Basileia.

Ver todas as noticias